Procon de Maringá divulga pesquisa de combustíveis

O Procon de Maringá divulgou na manhã desta sexta-feira (20) a 1ª Pesquisa de Combustível de 2015. O material compara duas coletas de preço em 55 postos do município, a primeira etapa realizada entre os dias 24 e 26 de fevereiro, período da greve dos caminhoneiros, e a segunda, realizada no dia 13 de março. O objetivo foi fiscalizar os estabelecimentos, a fim de evitar que praticassem algum tipo de abuso no preço do produto comercializado. 
Quatro itens foram verificados: gasolina comum, gasolina aditivada, etanol comum e diesel comum. A ação do Procon foi motivada inicialmente para verificar in loco possíveis irregularidades na precificação dos combustíveis devido ao movimento grevista desencadeado no dia 24 de fevereiro. A segunda coleta, por sua vez, teve como intuito verificar os valores praticados após os protestos, quando o fornecimento dos produtos foi normalizado. 

“Nos dias de greve tivemos algumas denúncias de postos que estavam com preços abusivos, isso desencadeou a primeira etapa da pesquisa. Verificamos na segunda etapa que muitos estabelecimentos até baixaram os preços se comparado àquela semana”, destaca o diretor do Procon, Mário Hossokawa. A pesquisa está disponível no portal do Procon. Entre todos os locais consultados, a pesquisa apresentou maior oscilação de preço no diesel, de até 15,79% na segunda coleta – na primeira etapa, a variação foi de 15,39%. No caso da gasolina comum, a variação da primeira coleta foi 12,50% e na segunda, 10,73%. Já a gasolina aditivada, o percentual foi primeiramente de 14,38% e, por último, 12,51%. A mudança de preço no etanol comum foi de 15,69% para 14,78% nos dois períodos comparados. Hossokawa destaca que o Procon tem a função de fiscalizar e autuar abusos, além de prestar um serviço de orientação ao consumidor e empresários. “Com a pesquisa em mãos, as pessoas poderão verificar qual a melhor forma de economizar. Um tanque tem capacidade para aproximadamente 50 litros, então a escolha do local proporciona uma diferença considerável no valor total”, observa.

Nenhum comentário: